Melatonina e Sono

A melatonina é um hormônio produzido pelo nosso organismo, mais especificamente pela glândula pineal, a partir do triptofano -> serotonina.

A sua secreção ocorre exclusivamente a noite, iniciando-se em torno de 2 horas antes do horário habitual de dormir, atingindo níveis máximos em torno das 3-4 horas, dependendo do ritmo circadiano de cada indivíduo.

Após secretada, ela é distribuída por vários tecidos corporais, não é estocada.

Conforme o individuo envelhece, os níveis séricos da melatonina vão naturalmente reduzindo.

A LUZ é o fator ambiental mais importante para a regulação da produção da melatonina e responsável pelo ciclo circadiano de sua produção. Tal ritmo é gerado no núcleo supraquiasmático no hipotálamo.

A luz inibe a ação pineal da seguinte forma: impulsos luminosos ativam neurônios da retina que se conectam ao núcleo supraquiasmático, através de conexões com outras áreas do hipotálamo, tal estímulo regula ciclo sono-vigilia, alimentação, síntese de corticoesteróides e atividade locomotora.

Desta forma, na presença de luz -> núcleo supraquiasmático está ativo -> pineal desativada.

Quando está escuro -> núcleo supraquiasmático fica desativado ->  pineal ativa.

Quando há exposição a luz na fase escura, a produção de melatonina é inibida de forma aguda, mas a escuridão por si só não induz a liberação da melatonina.

Mesmo intensidades moderadas de luz (como a iluminação do interior da residência) já afeta a produção da melatonina (dependendo do tempo de exposição e intensidade pode inibir totalmente ou atrasar a liberação - processo denominado de "atraso de fase").

Quais são as ações da Melatonina?

Além das ações de controle do ciclo do sono, ela tem funções regulatórias sobre a imunidade, processo antiinflamatório, antitumoral, antioxidante, e na regulação dos ciclos biológicos.

O funcionamento pineal-melatonina é principal controlador da relação que a luminosidade/escuro causam no organismo, são eles que traduzem ao organismo o dia e a noite, comandando a organização de funções dependentes da duração do dia (apetite, temperatura corporal, etc.) e controlando função secretória de vários hormônios, como o cortisol por exemplo.

A administração de melatonina como um suplemento ainda é estudada, auxiliando principalmente em casos em que há alterações no ritmo circadiano (por exemplo na síndrome do atraso das fases do sono).

Os estudos até o momento demonstram que a melatonina reduz o tempo para inicio de sono, não modifica a continuidade do sono e não altera a percentagem das fases do sono.