Posts

Qual seu nível de Ansiedade?

Algumas frases que escuto com frequência no consultório são:

"Sempre fui ansiosa"

"Ansiedade todo mundo tem"

"Não consigo lidar bem com minha ansiedade"

"Não quero mais ter ansiedade"

E a pergunta que eu trago é: A ansiedade pode ser normal? ou ela é sempre um problema?

Primeiro precisamos definir duas coisas diferentes, a ansiedade como uma emoção/reação, e os transtorno de ansiedade.

A ansiedade faz sim parte da complexidade que é ser humano, e ela tem sido muito importante para a evolução da humanidade, pois ajuda a sinalizar quando há algum perigo e nos faz antecipar situações que podem vir a ser perigo, para que possamos nos preparar para alguma situação e tomar a melhor atitude e evitando surpresas.

Considera-se a ansiedade em nível normal quando ela ocorre em reposta a situações específicas, como uma forma reativa a tal situação, em uma intensidade que não causa sofrimento ou prejuízos em nossas tomadas de decisão diária e enfrentamento de situações.

Algumas pessoas tem traços de personalidade mais ansiosos, onde esse "estado de alerta" que a ansiedade causa no organismo manifesta-se mais cotidianamente. São consideradas pessoas mais preocupadas, que evitam mais situações e veem sempre perigo nas situações, mas que muitas vezes convivem bem com isso, não sentem necessidade de mudar a forma como encaram o mundo, APESAR de que há sim opções para reduzir esse nível de ansiedade que podem beneficiar esses indivíduos quando há este interesse.

Outra situação que merece muita atenção, é o caso de pessoas que não apresentavam sintomas ou incômodo com as reações ansiosas normais, mas começam a ter. Podemos estar frente a um transtorno ansioso.

Existem vários quadro possíveis dentro dos Transtornos de Ansiedade, alguns podem ter inicio de forma mais abrupta após algum fator desencadeante, ou podem ir se instalando de forma lenta e progressiva, quando as reações ansiosas vão ficando mais frequentes, mais intensas, causando sofrimento e prejuízos diários.

Então quando é a hora de buscar uma avalição com um profissional?

Se você está se fazendo essa pergunta, provavelmente essa é a hora!

Uma avaliação com um profissional da saúde mental vai muito além de prescrever medicação, ele vai procurar entender o que está acontecendo no âmbito bioquímico cerebral, psicológico e funcional na sua vida, e muitas vezes só a compreensão desse processo já é suficiente para elaborar estratégias de controle/prevenção de transtornos de ansiedade, como mudanças de estilo de vida, prática de atividade física, hábitos alimentares, identificação de causas secundárias que podem estar ocasionando tais sintomas e que podem ser facilmente revertidas.

Quanto antes tais fatores são identificados e alterados, menor a chance do desenvolvimento de transtornos ansiosos graves e persistentes.

Quanto maior o tempo de demora para compreensão e tratamento de um quadro, mais tempo leva para reverter e recuperar a qualidade de vida e funcionalidade.

O entendimento da PREVENÇÃO em saúde mental pode evitar muitas situações que venham a gerar transtornos graves, crônicos e com baixa da qualidade de vida.

 

TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo

O TOC (transtorno obsessivo compulsivo), caracteriza-se pela presença de pensamentos obsessivos e/ou atos compulsivos.

Os pensamentos obsessivos tem aspecto recorrente e intrusivo, ou seja, eles surgem mesmo com todos os esforços para evitar que eles apareçam. Normalmente um nível alto de ansiedade vem associado aos pensamentos, causando muito desgaste e sofrimento em tentar controlá-los.

Já as compulsões são comportamentos repetitivos ou atos mentais que um indivíduo sente-se compelido a executar, geralmente em resposta ao pensamento obsessivo ou de acordo com regras que a própria pessoa estabelece, na tentativa de reduzir a ansiedade que as obsessões causam, ou com sensação de que realizar esse ato irá evitar que alguma situação catastrófica ocorra.

O TOC é considerado um distúrbio mental grave, e estima-se que cerca de 4 milhões de brasileiros sofrem com a doença. Estando ela entre as 10 maiores causas de incapacitação, de acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde).

Portadores do transtorno sofrem de muito medos, como por exemplo de contrair doenças, cometer falhas, se prejudicar de alguma forma ou prejudicar outra pessoa. Os atos compulsivos muitas vezes são uma resposta que vem para tentar "neutralizar" as possíveis consequências desastrosas dos cenários de pensamentos obsessivos, muitas vezes essa neutralização não tem uma relação lógica com o pensamentos, mas alivia de forma momentânea a ansiedade.

Mesmo que essas estratégias passem uma falsa sensação de alívio e de controle da situação, fazem parte do mecanismo desta patologia, tais rituais causam sofrimento, gasto exagerado de tempo e prejuízo no dia a dia nas mais diversas esferas da vida da pessoa.

As causas desse transtorno são múltiplas, envolvem fatores genéticos, alterações bioquímicas no funcionamento de substâncias cerebrais, traumas, fatores psicológicos e emocionais.

O tratamento também demanda um acompanhamento multiprofissional, psicoterapia e uso de psicofármacos.

Ansiedade Social

Medo constante do julgamento dos outros? Evita interação social, pavor só de pensar em ser apresentado para alguém novo? Só de imaginar entrar em um local cheio de pessoas que você não conhece te deixa muito nervoso?

Você pode sofrer de ANSIEDADE SOCIAL.

Muitas pessoas associam seu estado de nervosismo e inibição social em determinadas situações com timidez, mas muitas vezes este pode ser um quadro que merece atenção profissional.

O QUE É ANSIEDADE SOCIAL?

Também chamada de FOBIA SOCIAL, tem como característica o medo/nervosismo excessivo em situações sociais cotidianas. A pessoa fica sempre receosa em estar sendo julgada, sente que está sendo criticada ou avaliada de forma negativa pelos outros.
É comum um comportamento EVITATIVO para não ter que enfrentar situações que envolvem interação social, como por exemplo desmarcar encontros, faltar a uma entrevista de trabalho, não apresentar algum projeto importante, desistir de iniciar academia, etc. Como consequência a pessoa sente-se culpada, decepcionada e frustrada por não conseguir realizar algumas atividades e interações no dia a dia, limitando seu desenvolvimento pessoal, profissional e social.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

Além da sensação de medo e evitação de situações, sintomas físicos estão comumente presentes:

Ruborização do rosto (vermelhidão);

Sensação de calor repentino;

Suor excessivo;

Palpitação e taquicardia;

Respiração acelerada;

Sensação de “branco” na mente, esquecimentos no momento.

Em alguns casos podem acontecer ATAQUES DE PÂNICO.

A DEPRESSÃO está comumente associada a este transtorno.

PROCURE AJUDA de um profissional se estes sintomas causam prejuízo e sofrimento no seu dia a dia. Muitas vezes esses sintomas e sentimentos estão presentes desde a infância/adolescência, e são associados a característica da personalidade, quando na verdade fazem parte de um transtorno que pode estar limitando seu desenvolvimento e sua vida.

Quantas situações você já evitou apenas por medo ou insegurança?
Quantas vezes você planejou fazer algo que gostaria e na hora desistiu?
O que você já deixou de fazer por querer evitar contato com desconhecidos?

Café – Aliado ou inimigo?

Café puro ou com leite, doce ou amargo, amado por alguns, odiado por outros.
⠀⠀⠀⠀⠀
O seu principal composto, a CAFEÍNA, está presente em vários alimentos e bebidas, como no chocolate, refrigerantes, alguns tipos de chás (chá preto), chimarrão (erva mate) e também é encontrado em produtos alimentícios (bebidas energéticas), farmacêuticos (medicação para gripe) e cosméticos (cremes anticelulite).

A CAFEÍNA é um ESTIMULANTE do sistema nervoso central, potencializando o estado de alerta e vigilia (reduz o sono), aumenta a capacidade de atenção, energia, proporciona sensação de bem estar e reduz a fadiga.

Devido ao seu perfil ATIVADOR, tomar mais de 5 xícaras de café ao dia (mais de 500-600mg) pode causar mal estar e intensificar sintomas ansiosos, como por exemplo palpitação, taquicardia, inquietação, angústia, insônia, tremores, irritabilidade, sendo até um potencial gatilho para crises de pânico.
Algumas pessoas são extremamente sensíveis à cafeína, mesmo quantidades mínimas podem causar efeitos negativos.

Em alguns casos o consumo de cafeína deve ser reduzido ou mesmo interrompido, para auxiliar no controle do quadro.

Mas se você não abre mão de um cafezinho, tenha alguns cuidados.
⠀⠀⠀⠀⠀
Evite o consumo no período noturno, a duração do seu efeito é de 3-6h, pode causar insônia;
⠀⠀⠀⠀⠀
Preste atenção na composição de alimentos e compostos que você ingere, somando a cafeína presente em todos os produtos ao longo do dia, você pode estar consumindo uma quantidade maior do que imagina.
⠀⠀⠀⠀⠀
Pode ser usada como auxiliar na ativação metabólica e na prática de atividade física, mas evite usar compostos com cafeína e outros estimulantes sem uma indicação profissional, em altas doses pode até induzir arritmia e infarto;
⠀⠀⠀⠀⠀
Se você faz uso de alguma medicação, informe-se com seu médico se não existe risco de interação medicamentosa. Muitos remédios não combinam com a associação de cafeína e podem causar prejuízo ao seu organismo.

Skin Picking – Transtorno de Escoriação

O Transtorno de Escoriação ou "skin picking" é caracterizado pelo comportamento compulsivo de arranhar, cutucar, cortar, escavar, morder ou beliscar a pele normal ou com mínima irregularidade, produzindo lesões que causam sofrimento e prejuízos em diversas áreas da vida.

Os focos das escoriações, além da pele saudável, podem ser pequenas irregularidades da pele e lesões preexistentes como espinhas, calosidades, peles ao redor das unhas, cicatrizes, picadas de insetos, etc.

Os portadores de skin picking normalmente relatam uma ideia fixa e grande ansiedade, que o leva a mexer na sua pele. Pouco depois de o fazer, sente-se aliviado, mas também culpado ou envergonhado, ficando incomodado consigo.

O transtorno de escoriação acomete em torno de 1,4% da população, mais comum no sexo feminino.

Fatores emocionais, pessoais e bioqúimica cerebral estão envolvidos neste processo.

Tratamento inclui uso de psicofármacos e acompanhamento psicológico, como foco na terapia cognitivo comportamental.

Síndrome de Burnout

A síndrome de Burnout, ou ESGOTAMENTO PROFISSIONAL, é um distúrbio psíquico que tem como característica principal o estado de TENSÃO EMOCIONAL e ESTRESSE CRÔNICO provocado por condições de trabalho que são desgastantes de forma física, psicológica, e emocional.
Os sintomas típicos incluem a sensação de esgotamento físico e mental, refletindo em comportamentos e atitudes tais como:
⠀⠀ Faltas recorrentes no trabalho;
⠀⠀ Agressividade e irritabilidade;
⠀⠀ Isolamento;
⠀⠀ Mudanças bruscas de humor;
⠀⠀ Dificuldade de concentração;
⠀⠀ Ansiedade;
⠀⠀ Depressão;
⠀⠀ Queda no rendimento profissional;
⠀⠀ Atitudes negativas em relação ao trato com pessoas, etc.
As profissões que lidam com contato direto com o público são as mais propensas ao desenvolvimento da síndrome de burnout.
No Brasil os maiores índices são de bancários, professores, médicos, enfermeiros e policiais.
A síndrome de burnout tem prevenção e tratamento!
Algumas mudanças da rotina e dos hábitos podem ajudar a evitar este estado extremo de esgotamento.
Uso de medicamento e psicoterapia também estão entre as opções de tratamento.