TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo

O TOC (transtorno obsessivo compulsivo), caracteriza-se pela presença de pensamentos obsessivos e/ou atos compulsivos.

Os pensamentos obsessivos tem aspecto recorrente e intrusivo, ou seja, eles surgem mesmo com todos os esforços para evitar que eles apareçam. Normalmente um nível alto de ansiedade vem associado aos pensamentos, causando muito desgaste e sofrimento em tentar controlá-los.

Já as compulsões são comportamentos repetitivos ou atos mentais que um indivíduo sente-se compelido a executar, geralmente em resposta ao pensamento obsessivo ou de acordo com regras que a própria pessoa estabelece, na tentativa de reduzir a ansiedade que as obsessões causam, ou com sensação de que realizar esse ato irá evitar que alguma situação catastrófica ocorra.

O TOC é considerado um distúrbio mental grave, e estima-se que cerca de 4 milhões de brasileiros sofrem com a doença. Estando ela entre as 10 maiores causas de incapacitação, de acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde).

Portadores do transtorno sofrem de muito medos, como por exemplo de contrair doenças, cometer falhas, se prejudicar de alguma forma ou prejudicar outra pessoa. Os atos compulsivos muitas vezes são uma resposta que vem para tentar "neutralizar" as possíveis consequências desastrosas dos cenários de pensamentos obsessivos, muitas vezes essa neutralização não tem uma relação lógica com o pensamentos, mas alivia de forma momentânea a ansiedade.

Mesmo que essas estratégias passem uma falsa sensação de alívio e de controle da situação, fazem parte do mecanismo desta patologia, tais rituais causam sofrimento, gasto exagerado de tempo e prejuízo no dia a dia nas mais diversas esferas da vida da pessoa.

As causas desse transtorno são múltiplas, envolvem fatores genéticos, alterações bioquímicas no funcionamento de substâncias cerebrais, traumas, fatores psicológicos e emocionais.

O tratamento também demanda um acompanhamento multiprofissional, psicoterapia e uso de psicofármacos.